1 de nov de 2011

PROMOÇÕES DEIXAM O TOCANTINS SEM SOLDADOS.

Em solenidade marcada por discursos que sinalizaram o sentimento de reestruturação da Polícia Militar do Tocantins, foram promovidos pelo Governo do Estado, na manhã do último dia 21 de abril, 1.815 militares - entre oficiais e praças. O evento contou com a presença do governador Siqueira Campos e foi realizado no QCG – Quartel do Comando Geral da PM, em Palmas. A data faz alusão ao dia do patrono das polícias do Brasil - Joaquim José da Silva Xavier – Tiradentes. Houve também a entrega do Espadim Tiradentes à 5ª turma de 44 cadetes do Curso de Formação de Oficiais (CFO), da Academia de Polícia Militar do Tocantins. A lista completa com as promoções pode ser conferida no site www.diariooficial.to.gov.br. Ou com um clique aqui: http://www.diariooficial.to.gov.br/. Com as referidas promoções, o Estado do Tocantins agora só tem policiais com graduações de Cabo a cima, ou seja, o cargo de soldado foi extinto, acredito que seja temporário. Outra situação que parece não ter agradado a todos os policiais, pois o Governador conseguiu de certa forma ferir a hierarquia da instituição, pois, policiais com 04 anos de serviços foram promovidos juntos com outros com mais de 20 anos de trabalho.

Concurso

De acordo com o comandante geral, Marielton Santos, existe necessidade de concurso para Policia Militar e essa questão já estará sendo levada ao governador. “Há necessidade, tivemos saída de policiais que se aposentaram, e tudo isso está sendo planejado. Vamos levar logo essa necessidade para o governador”, destacou. Ainda de acordo com o comandante o déficit de policiais nos últimos anos somam cerca de 900 policiais. “Mas isso vai ser recuperado, tá tudo sendo planejado. Vamos trabalhar para que haja concurso ainda esse ano”, finalizou.

Promoções

Dentre as promoções duas foram para coronel e cerca de 1200 policiais foram promovidos de soldado para cabo, questionado sobre o impacto que causarão na folha de pagamento do Estado, o comandante afirmou que tudo foi devidamente calculado. “O impacto é insignificante diante dos trabalhos que esses policiais fazem e do risco que eles correm. É uma coisa merecida independente do impacto”, ressaltou. O comandante ressaltou, ainda, que tudo está dentro da lei e todos aqueles que preenchiam os requisitos para obter promoção foram promovidos. “Não olhamos a cara de ninguém, isso acabou na policia militar, o governador não quer que a polícia seja usada como cabo eleitoral”, destacou.

Agoraminas.

0 comentários:

Postar um comentário